Já conheces o eBook que o Palco Principal está a oferecer? Descarrega-o aqui!
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Morada: Rua da Oliveira ao Carmo,2 (Largo do Carmo) 1200-309 Lisboa
Telefone: 213463509
 

Notícias

Como escolher a primeira guitarra

Como escolher a primeira guitarra Não há guitarrista que não se lembre da sua primeira guitarra. É como o primeiro amor, que continua nas nossas vidas mesmo depois de termos avançado para outros. Mas uma má escolha pode destruir os nossos sonhos musicais ou, pelo menos, apagar um pouco a paixão.

Nós damos uma ajuda a escolher a vossa primeira guitarra para que não fiquem de coração partido. Antes de mais, já sabem tocar? Quem já se iniciou nas seis cordas pode ter uma ideia definida do que quer, qual é o seu estilo musical e qual o tipo de instrumento que melhor se adequa.

Mas seja para iniciados ou para quem nunca pegou numa, devem sempre pensar mais à frente e procurar um instrumento que seja versátil.

Acústica ou elétrica?

Esta questão resume-se basicamente ao estilo de música que querem tocar. Se o que vos dá pica não é música baseada em guitarra acústica e o vosso objectivo é tocar punk ou metal, então o melhor é irem para uma elétrica.

Se querem tocar peças clássicas, a guitarra elétrica já não é a melhor opção. Dentro das acústicas temos as de cordas de nylon e as de cordas de aço, que são indicadas para estilos diferentes.

Muitas vezes as primeiras guitarras são de cordas de nylon porque se pensa que serão mais fáceis de tocar, mas rapidamente ficam ao abandono porque não dão para tocar aquelas malhas de rock de que tanto se gosta, o que tira um pouco a motivação para continuar.

Ler mais

Como evitar lesões musicais

Como evitar lesões musicais

Músicos e atletas profissionais não são tão diferentes assim. Ambos usam o corpo na sua atividade, precisam de praticar muito e estão sujeitos a movimentos repetitivos e a ultrapassar os seus limites. Por isso, precisam de ter hábitos e métodos que os protejam de lesões que podem acabar com as suas carreiras.

Um investigador de Edmonton fez um estudo que diz que cerca de 80% dos músicos profissionais sofrem de lesões, que se podem tornar crónicas. E um atleta lesionado nem banco aquece. Vamos ver então como evitar esses problemas, para que estejam em forma como o Cristiano Ronaldo, sim? Siiiiiiiiiiiii!

Causas

Uma das causas mais comuns é o excesso de horas de uso quer dos tendões, quer dos músculos (o pessoal dos instrumentos de sopro sabe bem o que podem doer os maxilo-faciais), e que podem resultar em tendinites, dores nas costas, nervos comprimidos, bursites, cordas vocais danificadas. E sobre a voz já falámos de algumas técnicas para a proteger.

Ler mais

Estúdios míticos da história da música

Se o palco é onde uma banda se faz, o estúdio é onde ela se perpetua. E há estúdios que, pelas sessões que receberam, se tornaram locais sagrados da mitologia musical. Vamos conhecer alguns dos mais importantes.

Sun Studio

Foi na casa de Sam Phillips que o Rock’n’Roll nasceu. Depois de andar anos a gravar músicos negros que não tinham expressão comercial, apesar de perceber que eram eles que estavam a criar o som do futuro, Sam Phillips conhece um rapaz meio desajeitado que soava como esses músicos, mas com outra possibilidade de mercado. Eram os anos 50 nos Estados Unidos da América, e as coisas eram complicadas. O rapaz chamava-se Elvis Presley, e tudo mudou a partir daí. Outros notáveis que gravaram no Sun Studio, em Memphis, Tenessee, foram Carl Perkins, Johnny Cash, BB King, Jerry Lee Lewis, e outros pioneiros do Rock’n’Roll. Hoje em dia é um museu, para além de estúdio, onde podemos gravar com o mesmo equipamento analógico da era clássica do rock.

Ler mais

Para que serve o botão do tom na guitarra?

É o botão mais incompreendido e menos usado na guitarra. Se os botões de volume ainda são mexidos frequentemente, o botão do tom muitas vezes está lá só para enfeitar. Mas pode ser usado para alargar as possibilidades sonoras da vossa guitarra. Vamos ver como.

Já vos explicámos como funcionam os pickups da guitarra e as diferenças entre single coil e humbuckers, e com os controlos de volume é fácil: basta abrir a torneira para o sinal sair com o máximo de força.

O botão do tom já é um pouco diferente. Basicamente, é um potenciómetro que, todo aberto, deixa passar o máximo de frequências; no mínimo, corta as frequências médias e agudas. Na prática, com o botão de tom no máximo, o vosso solo tem o máximo de brilho, e no mínimo a vossa guitarra fica com uma sonoridade mais jazzística e bluesy, em que cada nota tem uma definição maior, mas soa mais abafada.

Como a maioria dos guitarristas gosta é de colocar tudo no 10 ou mais e continuar nesse volume, o botão de tom é ignorado, mas pode ser usado para criar dinâmicas apenas num instrumento. Por exemplo, numa parte mais rítmica, o tom pode estar num nível intermédio, e depois colocá-lo no máximo no riff ou no solo.

Ler mais

Acidentes em palco

O palco pode ser um lugar perigoso. Procurem no YouTube por acidentes em palco e é um rol de quedas, choques, electrocussões. Alguns eram perfeitamente evitáveis, outros são apenas azar, embora nunca se chegue perceber porque é que há bandas que atiram os instrumentos para cima da bateria e o homem das baquetas que se esquive.

Talvez a culpa seja dos The Who, que foram dos primeiros a destruir amplificadores e guitarras nos seus concertos. O Keith Moon, que não queria ficar atrás dos seus parceiros, decidiu colocar explosivos em volta da sua bateria num programa de televisão, mas exagerou na pólvora. O resultado foi uma explosão que provocou danos auditivos permanentes a Jon Entwistle e que espalhou estilhaços que carregaram consigo até ao fim da carreira.

Também há aqueles momentos cómicos, como o de Krist Novoselic dos Nirvana, que decidiu atirar o baixo ao ar, e agarrá-lo de cabeça. Ou o Bret Michaels que teve um encontro imediato com o cenário.

Ler mais


Anterior12345...Próxima